Viúva Negra é sentenciada a 13 anos de prisão por assassinar ex-namorado em ato sexual

0

Vânia Basílio Rocha, 19 anos, ex-vendedora foi condenada nesta quinta-feira, 15 de setembro, por júri popular a 13 anos de prisão em regime fechado, pelo assassinato do design gráfico Marcos Catânio Porto, 26 anos, conhecido como Tim, no dia 30 de dezembro de 2015.

A sentença foi lida às 14h25 pela juíza Liliane Pegoraro após os jurados votarem pela culpa de Vânia na morte de Marcos Porto. De acordo com a sentença Vânia não tem o direito de recorrer em liberdade.

Ela foi condenada por assassinato qualificado com meio cruel e sem chance de defesa da vítima.

De acordo com Vânia, em depoimento durante o julgamento, ela tinha o costume de andar sempre com um canivete na bolsa, porém na manhã daquele 30 de dezembro, ela não o encontrou, “Eu não encontrei o meu canivete, e como tinha o costume de sempre andar com ele na bolsa, resolvi pegar uma faca e colocar na bolsa”, explicou a ré diante dos jurados formado por 5 mulheres e 2 homens.

Vânia ainda disse que foi até a casa de Tim para se despedir, pois iria viajar e não tinha a intenção de matá-lo, “… cheguei na casa dele, e ele estava preparando o almoço, então dado momento eu fui para o quarto com ele, e tiramos a roupa, e ele pediu para aumentar o som, e quando fui fazer isso, vi uma calcinha no quarto e ai comecei a dar golpes com a faca nele”, relatou a ré.

Ela desferiu 16 facadas em Tim quando os dois estavam em ato sexual. O crime chocou a cidade de Vilhena no final do ano passado.

Últimas palavras

No velório de Tim, no dia 31 de dezembro, Mauricio Jacob, amigo da vítima, contou que estava na residência e relembrou o momento do crime. “Ele morreu nos meus braços. ‘Ela é louca’ foram as últimas palavras dele. Perdi um irmão”, lamentou. Mauricio lembrou que após chegar na residência, Vânia foi para o quarto com Marcos.

Depois de algum tempo, Mauricio e o irmão da vítima, Alberto Catânio, ouviram gritos de socorro. “Arrombamos a janela, pois a porta estava fechada. Quando entramos, ele segurava o braço dela com a faca. Arranquei a faca da mão dela e joguei longe. Ela sumiu e o Tim foi caindo para trás, falando que ela era louca”, lembra Mauricio, emocionado.

Após o crime, Vânia se escondeu no banheiro, onde ficou até a chegada da Polícia Militar.

vania-condenada-capa_vilhena_noticias_15-09-2016-19

Fonte: Vilhena Notícias/Kanitar Oberst

 

comente

COMPARTILHAR