STF marca para 7 de março julgamento de ação que definirá se Valdir Raupp vira réu

0

valdir raupp senadorO supremo Tribunal Federal (STF) marcou para 7 de março o julgamento de uma ação na qual definirá se o senador Valdir Raupp (PMDB-RO) vira ou não réu no âmbito da Operação Lava Jato.

No julgamento, os ministros decidirão se acolhem ou rejeitam denúncia oferecida pela Procuradoria Geral da República (PGR) em setembro do ano passado. O Ministério Público acusa o senador de ter cometido os crimes de corrupção passiva e lavagem de dinheiro.

As investigações apontaram suspeitas de irregularidades em uma doação oficial de R$ 500 mil para a campanha do senador em 2010. O dinheiro partiu das construtoras Queiroz Galvão e Vital Engenharia.

Na semana passada, após o relator do processo, ministro Edson Fachin, liberar a ação para julgamento, a assessoria de Raupp disse que o senador recebeu com “serenidade” a decisão do ministo.

“A doação de R$ 500 mil foi feita ao diretório regional do PMDB-RO tendo as contas de campanha dele [Raupp] sendo aprovadas pelo TRE e TSE”, dizia a nota.

Entenda o caso

Em delação premiada na Operação Lava Jato, o ex-diretor da Petrobras Paulo Roberto Costa disse que Valdir Raupp era um dos beneficiados com dinheiro desviado da estatal por meio de transferências realizadas pelo operador Fernando Soares, o Fernando Baiano.

O doleiro Alberto Yousseff, outro delator da Lava Jato, disse que acertou com uma assessora de Raupp a doação que seria feita pela Queiroz Galvão. Fernando Baiano confirmou as declarações.

A partir das delações, foi aberto inquérito para apurar doação de R$ 500 mil pela Construtora Queiroz Galvão e pela Vital Engenharia. A doação oficial, afirma a PF, seria “vantagem indevida fruto de contratações ilicitamente negociadas na Petrobras”.

A investigação apontou que Raupp intermediava o interesse de empresas privadas na Petrobras e que sua assessora Maria Cleia a ajudava. O cunhado Paulo Rocha, irmão da mulher de Raupp – Marinha Cléia Raupp – foi responsável pela assinatura de recibos eleitorais.

G1/RO

comente