Enquete

Como você avalia a virada de ano na Praça da Liberdade?

Excelente
Bom
Ruim
Péssimo


Classificados
Classificados

Notícias
Notícia publicada em 13/09/12
 
Manifestação em Ouro Preto pede justiça no caso de chacina em Buritis
Familiares e amigos das quatro vítimas da chacina de Buritis organizaram na manhã desta quarta-feira (12) uma manifestação pelas ruas de Ouro Preto do Oeste. O movimento pacífico atraiu centenas de pessoas que foram a pé ou em veículos...
 
Ampliar
Familiares e amigos das quatro vítimas da chacina de Buritis organizaram na manhã desta quarta-feira (12) uma manifestação pelas ruas de Ouro Preto do Oeste. O movimento pacífico atraiu centenas de pessoas que foram a pé ou em veículos, e pediu a prisão dos acusados e os retornos de um delegado e de dois agentes de polícia civil, afastados das funções após a investigação.

O manifesto, que causou comoção aos participantes, saiu do local popularmente conhecido como Três Coqueiros seguindo pela avenida Daniel Comboni até o prédio do Ministério Público do munícipio, onde os manifestantes pediram posicionamento da promotoria a respeito do caso.

Segundo a esposa do taxista Ilton Ferreira (uma das vítimas da chacina), Clarice da Silva, a iniciativa surgiu entre os familiares e amigos das vítimas. “Há alguns dias já planejávamos, ganhamos mais motivação com essa questão do afastamento dos policiais civis. Escolhemos esta data, pois hoje seria o aniversário do Renato (outra vítima). Sabemos que não traremos nenhum deles de volta, mas queremos que a justiça seja feita”, disse.

Chamados durante o manifesto em frente ao prédio do MP, os promotores Evandro Araújo e Márcio Giorgi compareceram ao local, respondendo e esclarecendo indagações dos manifestantes. “A chacina e o afastamento dos policiais são duas coisas distintas, têm de ser separadas. A indignação pelo fato dos acusados dos assassinatos estarem soltos é legítima, eu me solidarizo. Quanto aos policiais é dever do MP, quando existem provas contra alguém, denunciar seja quem for. Quem vai dizer se eles devem ser condenados ou não é a justiça”, esclareceu Evandro.

O promotor informou ainda ter conversado com o responsável pela comarca do MP de Buritis. “A polícia civil daquele munícipio não fechou o inquérito, com isso, não foi possível ao órgão oferecer a denúncia contra os acusados. O fato fez com que a justiça os liberassem”, explicou Evandro.

Ao final da manifestação uma comissão formada por familiares das vítimas da chacina de Buritis se reuniu com os promotores, com o objetivo de debater e receber orientações para realizar medidas legais, pedindo aos setores competentes que providências sejam tomadas.

Afastamento dos policiais

A justiça determinou, no dia 5 de setembro, o afastamento do delegado Cristiano Martins Mattos, juntamente com os agentes de polícia Eliomar Alves da Silva Freitas e Fernando dos Anjos Rodrigues. Os três foram denunciados pelo Ministério Público por tortura ao preso Adimar Dias de Souza, vulgo Roliço, ele é apontado como um dos executores da chacina em Buritis.
 
A Chacina

No dia 5 de abril de 2012, seis pessoas foram encontradas mortas na zona rural de Buritis, quatro moradores de Ouro Preto estavam juntos e foram surpreendidos ao entrarem em um sítio. O policial civil Renato de Jesus Pereira, o agente penitenciário Plábio Gomes de Sales, o comprador de gado Móises Rosa e o taxista Ilton Ferreira foram assassinados, na troca de tiros dois dos matadores também foram mortos.
 
 


Fonte: Camilo Estevam | OuroPretodoOeste.com
Ampliar
Ampliar
Ampliar
Ampliar
Ampliar
Ampliar
Ampliar
Ampliar
Comentários Facebook
 
Comentários
 

Nenhum comentário nesta notícia!

Nome:
E-mail:
Cidade/Estado:
Comentário:
  Máx: 500 caracteres | Digitados:0
 


Classificados

Parceiros


Desenvolvimento de Websites